Connect with us

Hi, what are you looking for?

19/08/2022

Geral

Empresa dá golpe da “marmita fantasma” e lucra R$ 2,5 milhões em MT

O dono de uma empresa que fornecia alimentação para índios atendidos no Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Kaiapó, município de Colíder, a 648 km de Cuiabá, é suspeito de ter desviado R$ 2,5 milhões. O assunto foi um dos destaques do Fantástico desse domingo (16).

A fraude foi alvo da Operação Kitsune, no dia 5 de junho, realizada entre a Polícia Federal, Controladoria-Geral da União (CGU) e o Ministério Público Federal (MPF). As investigações descobriram que o dinheiro desviado era repartido entre lideranças indígenas e servidores do DSEI.

O dono da empresa, também em Colíder, foi preso nessa operação e encaminhado ao Presídio Osvaldo Florentino Leite Ferreira, (Ferrugem), em Sinop, a 503 km de Cuiabá. De acordo com o delegado da PF, Samir Zugaibe, as refeições eram de um contrato de R$ 5 milhões.

Desse valor, a empresa desviou R$ 2,5 milhões. Os servidores dizem que o DSEI não tem estrutura, como camas ou banheiro, necessárias para atender os indígenas.

O cacique da região, Puiú Txucarramãe, é o sucessor do cacique Raoni Metuktire. Puiú foi afastado do cargo que ocupava no DSEI. “A empresa foi criada única e exclusivamente para participar e vencer essa licitação. Se eles forneciam 50 refeições por dia, eles acabavam cobrando 150 da União”, disse o delegado.

Os indígenas defendem o cacique e disseram que ele buscava apoio. O Fantástico não conseguiu contato com o cacique. O dono da empresa foi preso.

A reportagem procurou o sócio da empresa, mas ninguém quis falar. “O empresário alegou que não tinha fraude e que recebia pressão dos indígenas para fornecer alimentação fora do contrato. O cacique recebia dinheiro da empresa”, informou o delegado ao G1.

A empresa fornecia alimentação desde 2012. O empresário vai responder pelos crimes de corrupção ativa, fraude em licitação e associação criminosa.

A investigação continua e os materiais apreendidos serão periciados. A Operação Kitsune faz referência à palavra japonesa para raposa.

De acordo com o folclore japonês, o ser teria a habilidade de assumir a forma humana. Algumas histórias falam que as kitsunes usam essa habilidade apenas para enganar as pessoas.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Notícias Relacionadas

Endereço: Rua Ema Klunk, 274 - Jardim Safira - Sinop/MT CEP:78.551-366 CNPJ: 37.095.341/0001-06 Razão Social: M. L. JORDAN LTDA Nome Fantasia: Site Só Informação