Mato Grosso, Sábado, 28 de Março de 2020
Logo Só Informação
Informe Publicitário
RECUSA

Recusa de Blairo e pesquisa anima PP a voltar a investir em pré-candidatura de Eraí Maggi para gover

Marcia Jordan

04/04/2014 às 09:54

Recusa de Blairo e pesquisa anima PP a voltar a investir em pré-candidatura de Eraí Maggi para gover

Antonio-AzambujaBastou a confirmação de que o ex-governador e senador Blairo Maggi vai assistir às eleições de camarote para provocar ‘frisson’ nas hostes do Partido Progressista, ao ponto de recolocar o nome do ‘rei a soja’ Eraí Maggi Scheffer como pré-candidato ao governo de Mato Grosso. Aliada à desistência de Blairo, o PP conta com pesquisas qualitativas que supostamente apontam Scheffer em condições de disputar a sucessão do governador Silval Barbosa (PMDB) com chances de vitória.

O vice-presidente do PP, deputado Antônio Azambuja, afirma que a preocupação de Eraí era ‘trombar’ com o primo famoso, durante a campanha eleitoral. “Após a retirada de Blairo Maggi do cenário, como candidato, abriu-se novamente a perspectiva real da candidatura de Eraí”, pontuou Azambuja, em entrevista para oOlhar Direto

Nos últimos dias, o ‘rei da soja’ tem preparado o Grupo Bom Futuro, de sua propriedade, para ser tocado pelo Conselho de Administração. Eraí Maggi está se preparando para deixar o comando das empresas para executivos de sua confiança. “Eraí tem envergadura para disputar o governo de Mato Grosso. Ele pode abrir as portas em Brasília, sem precisar de intermediários”, observou o vice-presidente do PP.

Desde o final de 2013, o PP tenta construir a pré-candidatura de Eraí. Em janeiro, ele recuou da pretensão, sob o argumento de que as empresas não estavam preparadas para caminha sem o seu comando pessoal. 

Depois, teve seu nome apontado pelo presidente regional do PP, deputado Ezequiel Ângelo Fonseca, como provável candidato a vice na chapa do senador José Pedro Taques, pré-candidato ao governo de Mato Grosso pelo PDT. A articulação não avançou porque o nome de Blairo foi novamente ventilado para a disputa do Palácio Paiaguás, o que em tese inviabiliza qualquer postulação majoritária de Eraí Scheffer.

“Na época, o senador Pedro Taques fez o convite para o PP indicar o vice de sua chapa, o que não se viabilizou por causa de núcleos de resistências entre os aliados do PDT”, revelou à época Ezequiel Fonseca

Fonte OlharDireto