Mato Grosso, Segunda-Feira, 25 de Janeiro de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
A FAVOR DO POVO

Prefeitura indefere pedido de reajuste solicitado pela Águas de Sorriso

De acordo com o prefeito, a empresa já foi acionada em R$ 12 milhões em multas

Da Redação

05/01/2021 às 09:04

Prefeitura indefere pedido de reajuste solicitado pela Águas de Sorriso

Em entrevista coletiva nesta manhã (04), o prefeito Ari Lafin, pontuou que indeferiu o pedido de reajuste solicitado pela concessionária Águas de Sorriso. A empresa havia solicitado reajuste tarifário de 5,67%, negado pelo Decreto nº 432 de 28 de dezembro. Conforme Ari, essa não é a hora para reajustes. “Estamos todos vivendo um momento delicado, enfrentando a Covid-19; inclusive o Governo Federal está prestando amparo financeiro a muitos brasileiros por meio da Caixa Econômica Federal (CEF), e, dada a situação financeira acreditamos que essa não é a ocasião apropriada para conceder aumentos”, explica o prefeito.

Conforme Ari, além do delicado momento financeiro, também pesou a avaliação do trabalho prestado pela concessionária no município para a negativa do reajuste. “O trabalho está ineficiente. O esgotamento sanitário, por exemplo, está com apenas 30% de execução”, pontua. O prefeito destaca que o contrato com a empresa é válido até 2025, “são apenas quatro anos para executar o restante da rede de esgoto; é muito trabalho pela frente e não temos como interromper contrato”, explica. A decisão foi comunicada à empresa e ao Comitê de Gestão Hídrica e de Esgotamento Sanitário nesta manhã.

Lafin destacou ainda que está em andamento no Fórum de Sorriso uma liminar impetrada pelo Ministério Público (MP) em desfavor da Águas de Sorriso. Nessa ação, o MP relata problemas em relação aos serviços prestados pela empresa desde que assumiu a concessão dos serviços, no ano de 2000. Entre eles, a falta de água em todas as regiões da cidade, baixa pressurização na rede de distribuição, mal atendimento prestado aos usuários dos serviços de saneamento básico, danos provocados por obras, por despejos ilegais de esgotos sem tratamento em mananciais de Sorriso, intervenções da empresa nas vias públicas e calçadas e descumprimento referente às normas de segurança do trabalho.

Na ação, o MP requereu a indisponibilidade dos bens imóveis da concessionária e, ainda, requereu ao Poder Judiciário que determine a intervenção do município no serviço de saneamento básico para que seja elaborado e executado um plano de reestruturação do atendimento.

De acordo com o prefeito, a empresa já foi acionada em R$ 12 milhões em multas por problemas nos serviços prestados. “Nós aguardamos a decisão da Justiça em relação a liminar do MP”, frisa o prefeito. “Sendo assim, até não termos a decisão da Justiça, a melhoria dos serviços prestados e a recuperação do poder de compra da nossa população, afetada pela Covid-19, entendemos que não há como conceder reajuste”, diz.


Fonte Assessoria