Mato Grosso, Sábado, 24 de Outubro de 2020
Logo Só Informação
Informe Publicitário
CASO SARA

Policiais e peritos acompanham escavações e busca aos restos mortais da menina Sara

Se Sara estivesse viva hoje estaria com 15 anos

Da Redação

10/09/2020 às 09:30

Policiais e peritos acompanham escavações e busca  aos restos mortais da menina Sara
gazeta digital

Polícias Civis e membros da Perícia Oficial de Identificação Técnica acompanham as escavações e buscas pelos restos mortas da menina Sara Vitória Fogaça Paim desaparecida há 10 anos em Sorriso. As escavações acontecem em um terreno no bairro Flor do Cerrado onde há várias edificações, sendo apenas esse lote o único sem construção.

A polícia solicitou do proprietário da área informações sobre obras de limpeza no local, uma vez que já se passaram dez anos e a terra pode ter sido removida. “Vamos tentar encontrar e entregar à família os restos mortais da criança. Foi um trabalho brilhante de nossos policiais e damos uma resposta à sociedade”, finalizou o delegado André Ribeiro, que encaminhou à Justiça a representação pela conversão da prisão temporária em prisão preventiva.

O suspeito Antonio Ramos Escobar será indiciado pelos crimes de homicídio qualificado (por asfixia), estupro de vulnerável e ocultação de cadáver, com penas que somadas chegam a 48 anos de reclusão. Ele foi encaminhado ao Centro de Ressocialização de Sorriso.

Crime

Conforme informou durante o interrogatório, o suspeito trabalhava como pedreiro em uma construção, próxima ao estádio municipal de Sorriso onde diversas crianças brincavam diariamente. Na tarde do dia 1º de junho de 2010, por volta das 16h, a garota passava pela rua indo para casa, quando então o suspeito ofereceu carona de bicicleta à vítima e teria chamado a criança para seguir com ele até a construção onde trabalhava. No local, ele praticou o abuso sexual e depois matou a vítima por asfixia. Após estrangular a menina, que chorava, ele colocou o corpo em um saco de estopa e enterrou em um terreno baldio. O terreno, segundo ele, não há nenhuma construção até hoje.

Conforme o delegado André Ribeiro, o suspeito disse que ‘tirou um peso das costas’ ao confessar o crime.  “Não há crime perfeito. Demorou dez anos, mas foi desvendado após um brilhante trabalho da nossa equipe de investigadores”.

Depois de cometer o crime, o suspeito saiu da cidade e fugiu para Mato Grosso do Sul, estado onde morou até poucas semanas atrás, quando então retornou a Sorriso. Na época do crime, a esposa do suspeito registrou um boletim de ocorrência pelo desaparecimento do marido.