Mato Grosso, Segunda-Feira, 6 de Abril de 2020
Logo Só Informação
Informe Publicitário
DESAFIO

Mendes aceita reduzir ICMS se MT receber R$ 40 bi da Lei Kandir

Presidente declarou que cortaria tributos federais do combustível se estados fizessem o mesmo

Da Redação

11/02/2020 às 08:06

Mendes aceita reduzir ICMS se MT receber R$ 40 bi da Lei Kandir
reprodução

O governador Mauro Mendes (DEM) afirmou que aceita reduzir o ICMS cobrado sobre o valor do combustível em Mato Grosso, caso o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pague os valores devidos ao Estado relativos ao FEX (Fundo de Auxílio à Exportação) de 2018 e 2019 e às perdas da Lei Kandir.

Segundo levantamento do próprio Governo, o débito gira em torno de quase R$ 1 bilhão apenas com FEX. Estima-se que nas duas décadas de vigor da Lei Kandir o Estado tenha perdido cerca de R$ 39 bilhões.

A Lei Kandir isenta do ICMS as exportações de commodities. Já o FEX é uma compensação paga aos estados produtores em razão desta isenção.

A “contraproposta” de Mendes foi feita dias após Bolsonaro afirmar que iria zerar os tributos federais sobre combustíveis se os governadores aceitassem fazer o mesmo com o ICMS (imposto estadual).

A Lei Kandir isenta do ICMS as exportações de commodities. Já o FEX é uma compensação paga aos estados produtores em razão desta isenção.

A “contraproposta” de Mendes foi feita dias após Bolsonaro afirmar que iria zerar os tributos federais sobre combustíveis se os governadores aceitassem fazer o mesmo com o ICMS (imposto estadual).

“Mato Grosso aceita reduzir o ICMS dos combustíveis se o Governo Federal pagar o FEX 2018 e 2019 e todas as perdas do Estado ocasionadas pela Lei Kandir”, disse o governador, em publicação nas redes sociais nesta segunda-feira (10).

Apesar da declaração, na última semana Mendes já havia ironizado o “desafio” lançado por Bolsonaro aos governadores.

Uma das justificativas do democrata é de que o ICMS dos combustíveis representa 25% da receita própria de Mato Grosso, algo em torno de R$ 2,7 bilhões ao ano.

Em contrapartida, o PIS e Cofins do Governo Federal representam 2% da receita da União.

“Então, ele propõe que os estados cortem 25% enquanto ele corta 2%. Se me permitirem uma brincadeira: seria como chegar e pedir para cortar a sua perna que eu corto o meu dedinho. Então, fazer essa proposta é muito boa de ouvir, mas na prática não dá para fazer”, ironizou Mendes, na ocasião.