Mato Grosso, Sábado, 7 de Dezembro de 2019
Logo Só Informação
Informe Publicitário
CAOS FINANCEIRO

STF mantém escalonamento de aposentadorias de servidores em Mato Grosso

Delegados aposentados tentam receber salários em parcela única

Da Redação

02/12/2019 às 14:52

STF mantém escalonamento de aposentadorias de servidores em Mato Grosso
reprodução

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, confirmou liminar e manteve suspenso os efeitos da decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) que havia determinado ao governo o pagamento integral dos proventos de aposentadoria e pensão dos associados do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de Mato Grosso (Sindepo)

A decisão foi publicada no Diário de Justiça desta segunda-feira (2) e é datada do dia 27 de novembro. O ministro reconheceu que a medida é excepcional, mas se justifica no contexto de grave crise econômica que afeta os entes federados.
 
“A lamentável e inegável situação de caos financeiro pela qual passa a maioria dos estados brasileiros, oriunda de situação de turbulência econômica, agravada pela frustração de receitas projetadas nas respectivas leis orçamentárias, impõe a necessidade de adoção de esforço comum e coordenado para superação deste quadro”, afirmou o presidente do STF.
 
A decisão TJMT suspensa determinou ao estado o pagamento integral das aposentadorias e pensões dos associados do Sindepo. Ela foi tomada no âmbito de mandado de segurança impetrado pela entidade para questionar ato do Poder Executivo que havia determinado o pagamento escalonado dos vencimentos e dos proventos de aposentadorias dos servidores públicos e requerer o pagamento em parcela única. O pedido foi acolhido em liminar deferida por desembargador da corte estadual.
 
No STF, o Estado de Mato Grosso argumentou que a decisão comprometeria gravemente a economia e a ordem pública, uma vez que, num cenário de grave crise financeira, a obrigação de pagamento integral dos proventos de aposentadoria e pensões implicaria a imediata transferência de expressivos aportes orçamentários do tesouro estadual para o Fundo de Previdenciário do estado.

Assinalou ainda que, ao impedir o pagamento escalonado, a decisão conferiu tratamento desigual aos servidores públicos estaduais e desencadeou efeito multiplicador, pois outras categorias poderiam pleitear o mesmo.