Reflexo de chuvarada, produtividade de lavouras em Sorriso deve cair

miniatura (13)A chuvarada que castigou plantações de soja em fevereiro e março também impactou o desenvolvimento do algodão e do milho safrinha. No médio-norte, o plantio e o manejo das lavouras foram comprometidos e devem provocar queda na produtividade.

Em Sorriso, município a 420 quilômetros de Cuiabá, expectativas iniciais não foram atingidas para a oleaginosa. Além disso, muitas áreas que hoje receberam o cereal também estão com o potencial produtivo ameaçado.

O agricultor Sérgio Trinches plantou mil hectares com o milho, 30% a menos que o ano passado. A lavoura sofreu com o excesso d“água. “A implantação da cultura ficou um pouco prejudicada com todo esse excesso de chuva e que dificultou a germinação e o desenvolvimento”, disse.

Ildo José Damiane cultivou milho em 680 hectares, mas segundo o agricultor, o trabalho foi feito fora do período ideal e isso atrasou a aplicação de herbicidas e adubação. “A adubação foi feita fora do período ideal porque o milho já estava grande e não podemos entrar em função das chuvas. Não tivemos aproveitamento”, contou.

Ao todo, 370 mil hectares receberam milho em Sorriso, mas muitas dessas áreas estão com o potencial produtivo comprometido.

“O atraso da soja fez com que o milho fosse plantado fora da janela ideal e atrasou os traços culturais, fazendo com que não atingisse seu potencial. Vai cair a produtividade sem dúvida”, comenta Laércio Lenz, presidente do Sindicato Rural do município.

Soja exposta

A soja também foi comprometida na região sorrisense.  A expectativa era obter uma produtividade de 60 sacas a cada hectare, mas que ficou 10% abaixo.

A qualidade dos grãos também foi afetada. Parte do que foi colhido ainda está nos armazéns e mesmo com a mistura dos grãos de maior com os de menor qualidade, está difícil alcançar os padrões exigidos para exportação.

“O grande problema é a quantidade de soja boa e ruim que entrou. Essa mistura acaba comprometendo até a soja que está boa, causando assim uma dificuldade para conseguir uma qualidade boa para exportação”, avalia Igor Ferreira da Silva, gerente de armazém.

O produtor Darci Ferrarin chegou a colher boa produção de soja, mas perdeu 15% dos 3 mil hectares semeados com algodão.

“Começou a colher no início de janeiro essa soja precoce e entramos com algodão. Veio a chuvarada e alagou as propriedades”. Na área danificada o agricultor apostou no feijão em uma tentativa de diversificar a produção e reduzir os prejuízos.

Fonte G1.com

Comentários