Juiz abre prazo para alegações antes de sentenciar Aline Macedo, acusada de participar de duplo latrocínio

O juiz da 2ª Vara Criminal e Cível de Juara, Alexandre Sócrates da Silva Mendes, abriu prazo de cinco dias para alegações finais das partes envolvidas na ação penal que investiga as mortes de Claudemilson Ferreira, 41 anos, e Alessandra da Silva Schefer, 24 anos, em Juara, no dia 13 de outubro de 2015. Em seguida, o magistrado dará uma sentença sobre o caso.

Aline Maria Macedo, 20 anos, foi denunciada por duplo latrocínio (roubo seguido de morte) em concurso material (duas ações com resultados semelhantes). As penas, para cada crime, variam de 20 a 30 anos de reclusão. O crime também teria sido cometido “mediante recurso que dificultou ou tornou impossível a defesa” das vítimas, o que pode agravar a sentença. Aline foi denunciada ainda por corrupção de menores e a pena varia de 1 a 4 anos.

O crime

Aline se entregou à polícia no dia 6 de novembro de 2015, em um estacionamento de uma loja em Tangará da Serra. A jovem alegou estar arrependida de praticar o roubo de uma GM S-10 branca que terminou no assassinato do casal. Apesar disso, confirmou ao delegado Carlos Henrique Engelmann que foi a mentora do crime, ficou responsável por planejar a ação criminosa, escolheu o veículo alvo e ainda orientou os adolescentes sobre como agir.

Dias antes, a jovem postou uma mensagem, em sua página pessoal, em uma rede social confessando que teve envolvimento tanto no roubo da caminhonete quanto no duplo assassinato. No “desabafo” ela acabou dizendo que planejou o assalto e o homem (no caso, Claudemir) reagiu. Devido a isso, um dos seus comparsas atirou nas vítimas. Em seguida, pegaram a caminhonete e seguiram sentido Sinop. Porém, na MT-220 acabaram capotando o veículo.

Os corpos das duas vítimas foram encontrados, dia 4 de outubro, em um córrego a cerca de 8 quilômetros do centro de Juara. Um adolescente de 13 anos foi preso no mesmo dia, em Sinop, em uma residência, no bairro Boa Esperança. O delegado em Juara disse que o menor confessou ter participação tanto no roubo quanto no assassinato do casal. Ele chegou a ser encaminhado para o complexo do Pomeri, em Cuiabá, onde ficou por alguns meses. No entanto, foi libertado e acabou sendo assassinado em Colíder.

No dia 11 de novembro, o terceiro adolescente suspeito foi apreendido na avenida Mato Grosso, no bairro Jardim das Palmeiras, em Lucas do Rio Verde. O delegado Rafael Scatolon confirmou, ao Só Notícias, que a polícia teve informação de que ele estava na cidade e começou a fazer buscas. Inicialmente acreditava-se que estava escondido em uma casa.

Claudemir era empresário e dono de um lava jato em Juara.

 

Fonte PortoNoticias

Comentários