Excesso de velocidade foi a infração mais cometida nas rodovias em MT

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) não registrou acidentes com mortes nas cinco rodovias federais que cortam Mato Grosso durante a operação “Réveillon”, iniciada em 27 de dezembro e finalizada no domingo (1º). No estado, são policiadas e fiscalizadas as BRs 070, 158, 163, 174 e 364. No mesmo período, no ano passado, foram registradas cinco mortes.

Segundo o balanço divulgado nesta segunda-feira (2) pela PRF, as infrações mais cometidas pelos motoristas nas rodovias federais em Mato Grosso foram o excesso de velocidade – registrado pelos radares móveis -, que totalizaram 1.454 ocorrências, e as ultrapassagens proibidas, que somaram 255 casos.

Ainda conforme a PRF, 34 motoristas foram identificados dirigindo alcoolizados nas rodovias, enquanto outros 79 passageiros foram flagrados sem utilizar o cinto de segurança.

No período da operação, foram fiscalizados 5.136 veículos e realizados 1.758 testes de bafômetros.Mais de 2,7 mil pessoas foram sensibilizadas nas abordagens de educação para o trânsito e 2.688 autuações de trânsito foram aplicadas.

Operação ‘Rodovida’

Desde o dia 16 de dezembro, quando a operação “Rodovida” teve início, foram registrados um total de 100 acidentes nas rodovias federais em Mato Grosso, dos quais 43 graves que resultaram em 83 feridos e 10 mortos.

Um único acidente, no dia 24 de dezembro, véspera de Natal, foi responsável por 40% do total de óbitos. O acidente ocorreu na BR-163, perto do município de Matupá, a 696 km de Cuiabá, no qual quatro pessoas da mesma família morreram – entre elas uma criança de 11 anos e uma adolescente de 14.

A operação Rodovida segue até março de 2017 e tem por objetivo prevenir acidentes e diminuir a violência no trânsito nas rodovias federais durante o período de fim de ano, férias escolares e Carnaval, quando o movimento nas estradas é intenso.

A operação ocorre simultaneamente em todo o país em pontos críticos das rodovias federais. Esses pontos foram elencados por meio de análises de dados estatísticos que apontam trechos com maior necessidade de reforço na fiscalização.

 

 

 

Fonte G1/MT

Comentários