MT recua saldo de empregos em 6 dos 8 setores da economia em 2016

0
91

Mato Grosso registrou mais demissões do que contratações em seis dos oito principais setores da economia no ano passado. Somente o agronegócio e os serviços industriais de utilidade pública conseguiram saldos positivos no período. No total, 350 mil pessoas foram contratadas e 368 mil foram demitidas no período, o que representou um saldo negativo de 17,9 mil vagas.

Os dados são do Cadastro Geral de Empregos e Desempregados (Caged) e foram divulgados nesta sexta (20) pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Em 2016, o Brasil eliminou 1,3 milhões de postos de trabalho.

Os oito setores avaliados foram: extrativa mineral, indústria de transformação, serviços industriais de utilidade pública, construção civil, comércio, serviços, administração pública e agropecuária.

Em dezembro, Mato Grosso admitiu 17,7 mil trabalhadores, mas em contraponto demitiu outros 29,7 mil, o que representou um saldo negativo de 12 mil vagas. Todas as áreas da economia apresentaram deficit no mês. O pior no quesito, porém, foi a construção civil com queda de 10,5% ante novembro. Em dezembro, o setor contratou 887 pessoas e demitiu outras 5,4 mil no período. Deficit de 4,5 mil vagas.

A área também foi a que teve os piores números durante o ano de 2016. A construção civil admitiu 34,9 mil pessoas e demitiu 42,9 mil. O saldo negativo de vagas ficou em 8 mil, o que representa uma variação negativa de 17,1% em relação a 2015.

O agronegócio – uma das áreas que registrou bons números no ano passado – contratou 78,4 mil pessoas e demitiu outras 75,7 mil, o que deixou o setor com um saldo positivo de 2,7 mil vagas e uma variação positiva de 2,54% em comparação a 2015.

No caso da indústria de utilidade pública a melhora foi um pouco menor. O setor admitiu 1,6 mil trabalhadores e demitiu outros 1,4 mil. O saldo de no banco de empregos foi de apenas 140 vagas e a variação foi medida em 2,2%.

Em Mato Grosso, o setor específico com o pior saldo foi a indústria de calçados, que contratou somente 9 novos funcionários e demitiu 26, um déficit de 17 vagas e uma variação negativa de 27,8%.
Municípios

O município com o pior registro no saldo de empregos em Mato Grosso foi Várzea Grande. Em 2016, foram contratadas 18,9 mil pessoas na cidade, enquanto outras 22 mil foram demitidas. O saldo de vagas e a variação dos empregos em relação ao ano anterior ficaram negativos em 3 mil e 7,1%, respectivamente.

Do outro lado, Peixoto de Azevedo conseguiu se destacar na questão. Foram 977 contratações e 915 demissões, o que representa um saldo positivo de 62 vagas e uma variação, também positiva, de 3,7%.

 

 

Fonte Carlos Palmeira

Comentários